10.7.16

Cultura é…

Empanada, crepe, bauru, taco, gyoza, wonton, pierogi, croque monsieur, coxinha, hamburger, ravioli… Cultura é um pedaço de carne envolvido em massa.

23.4.16

Puro chocolate


Chocolate amargo não é amargo. É puro chocolate. E dependendo da região ou variedade do cacau, o sabor muda completamente. É possível descobrir uma longa história de produção e processos só provando o chocolate. Assim acontece também com o café e vinho.

22.4.16

Chocolate

Estou lindo um livro incrível. Chama-se "Bread, Wine and Chocolate" de uma escritora americana nascida na Alemanha com background indiano e que vivia aqui em Melbourne (confuso, né).

Conheci esse livro por acaso, alguém que sigo no Twitter estava comentando dele no lançamento. Comprei, e, coincidentemente, comecei a ler o livro em São Francisco exatamente onde os capítulos de vinho e chocolate estão situados.

Adoro vinho, tenho os meus vinhos preferidos e compro sempre das variedades que gosto ou dependendo da região (Shiraz da Austrália, Malbec da Argentina, etc etc). Mas reparei que vinho não me interessa muito. Não tanta curiosidade de estudar, de me aprofundar no assunto.

Me lembro que em 2004 eu comecei a me interessar mais profundamente por determinados alimentos. Comecei a estudar, degustar e pesquisar sobre azeites. 

Em 2009 minha paixão por café começou a aguçar minha curiosidade e mergulhei de cabeça para estudar variedades, biologia e química do café. A cada dia que passo quero saber mais e mais.

E, desde o mês passado quando acabei de ler o capitulo de chocolate do livro, estou fascinado pelo mundo do cacau. É uma diversidade enorme de espécies, sabores, processos. Lembra muito produção de café.  E, se o mundo de cafés especiais está dando os primeiros passos, tenho a impressão que o mundo do cacau especial ainda nem começou a caminhar. São oportunidades incríveis.

Recentemente meus dias estão terminando provando chocolate 85% cacau ou superior, de origem única (single origin) e lendo artigos e estudos sobre cacau especiais.

E, claro, vou precisar dividir isso com vocês nos próximos posts. :) 



25.3.16

Mas qual é esse café?

Parece que a cena de cafés em São Paulo precisa acelerar o passo. Não estou morando mais em São Paulo, mas aparentemente tenho acompanhado notícias que um monte de cafés especiais estão abrindo na cidade, além, claro, da existencia do Coffee Lab, que faria inveja em qualquer cidade do mundo, uma referencia mundial. Minha ligação por café começou junto com a abertura de alguns cafés especiais em São Paulo como o Santo Grao e logo depois o Suplicy nos Jardins. O Santo Grao sempre foi meu lugar favorito para sentar, conversar, tomar café e conhecer mais sobre origens. Foi ali que tomei meu primeiro Kopi luwak (quando a palavra crueldade ainda não estava atachada nele), e onde era um lugar para, com sorte, provar outros cafés de fora do Brasil. Passaram a vender só cafés brasileiros (o que acho justo por causa da impossibilidade de importação de grãos verdes e tem muito café bom por aqui). De 2009 pra cá tenho visitado o santo grao anualmente. Entendo que um negócio para sobreviver no Brasil precisa ser criativo e diversificado. O Santo Grao virou, digamos, uma mistura de café estilo australiano e bistrô.

O Suplicy ficou fiel ao core de cafés especiais. Admirável. 

Sábado (19/3) estive no Santo Grao e Terça (22/3) estive no Suplicy. E esta é a razão de escrever esse post.

Pedi ajuda (como pedia o menu) para a atendente sobre quais eram os cafés importados e especiais do dia. Ela me deu a notícia de que não havia mais importados e que o café do dia eram dois cafés premiados. Um de São Paulo e outro de Piatã (BA). Pedi mais informações sobre o café e a atendente ficou confusa e perguntou que tipo de informação... Eu queria saber a variedade, fazenda, que tipo de prêmio, etc... Ela, confusa, só me disse que era 100% arábica. Enquanto decidíamos o que iríamos comer, outro atendente veio tirar o pedido e pedi mais informações sobre o café. Ele não sabia e foi pedir ajuda ao barista. Veio com a resposta que era um blend, uma mistura de grãos... Eu, muito decepcionado, fui perguntar pro barista. Ele, atencioso, foi no balcão de torra comigo e foi investigar qual era o café e fazenda. Depois de ler alguns papéis, descobriu que era um Catuaí amarelo da fazenda São José... Bla bla bla. E sobre o grão de São Paulo, não tinha mais disponível. 

No Suplicy, queria saber sobre os microlotes. Eram dois. Um da Fazenda do Lobo (?) e "um outro".  Mas queria mais informações sobre eles... A barista me disse que a Fazenda do Lobo tinha um sabor de laranja (notas sensoriais são muito subjetivas). Fui o chato querendo saber mais e mais. Até que um atendente foi buscar um papel e descobrimos juntos que a fazenda do lobo era da variedade Mundo Novo e mais alguns informações da safra e afins.

Qual foi o problema? Talvez seja ou falta de treinamento, ou informação ou até comprometimento do funcionário em aprender.

Se o core do seu negócio é café, todos os pontos de contato com o cliente precisam estar envolvidos no produto. Precisam saber da variedade, do nome, das características do café. Não são milhares de opções. São apenas 1 ou 2 tipos de microlotes ou cafés especiais. Quanto mais informação, mais apaixonante eh o produto tanto para o funcionário tanto para o cliente. 

O mais importante nessa onda de cafés especiais no Brasil não é vender aquele café premiadíssimo. Eh educar as pessoas sobre esse negocio novo não-tão-novo. A cena de café na Austrália cresceu monstruosamente nos últimos 5 anos e talvez hoje seja o mercado mais maduro do mundo. A cena de nova York cresce a cada ano e já está virando lenda aqueles cafés americanos aguados. E o Brasil, parece estar perdendo o bonde. De novo. 


24.1.16

Mas já é fevereiro?


Não tem época do ano para comer Panettone. Hmmm... 

Agora, vocês já provaram o Matcha Tea?

O sabor meio amargo se casa perfeitamente com o chocolate do Panettone. Digamos que é o Romeu e Julieta dos tempos modernos! Haha

21.11.15

Sagu ao vinho tinto


Talvez não exista uma sobremesa que represente mais o Brasil do que o sagu ao vinho tinto, mesmo estando bem longe de ser popular como o brigadeiro por exemplo.

Sagu foi criado no Brasil, por imigrantes italianos e alemães do sul do Brasil e se espalhou rápido. Os alemães criaram a tecnologia para fazer a fécula de mandioca ao invés da tradicional batata. A Mandioca (vamos saudar a mandioca!) é brasileiríssima! E os italianos contribuem com o vinho.

Embora seja uma receita feita por imigrantes, o curioso é que não existe nada parecido com ela nos países de origem deles.

A receita é bem simples. Deixo de molho 250g de sagu por 3 horas em água fria. Enxáguo. Em uma panela, jogo o sagu, 800ml de água e uns 500ml de vinho tinto. Cravo, canela e 1 xícara de açúcar mascavo. (Escolha o açúcar e a quantidade que vc quiser! To tentando ser mais saudável). Deixo ferver mexendo sempre até as bolinhas ficarem transparentes. Sirva quente ou frio. 

Use a receita como parâmetro. Não siga quantidades e use sua intuição. Funciona. 




29.6.15

Nova York levando café a sério

A dinâmica presente no DNA de Nova York se mostra presente também na cena de cafés especiais.

 

A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.

 

Visitei e re-visitei nas últimas duas semanas aproximadamente 30 cafés especiais em Nova York além de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.

 

Gorjetas

 

Uma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.

 

É fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que é muitas vezes maior que o valor do salário. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais estão virando coisa do passado. Alguns lugares sugerem no iPad $3 de gorjeta para um café que custou $3.50. Aparentemente $2 está virando um padrão na indústria para um café com valor um pouco maior que isso, o que representa quase 50% do valor. Isso é um ponto que merece atenção especial tanto para quem consome tanto para quem vende. Um pouco demais, acho.

 

Abaixo, selecionei meus lugares preferidos para tomar café com base no meu pedido padrão: 1 café com leite (ou leite de soja) e 1 café filtrado, preto.

 

Blue Bottle Coffee

450 West 15th street - Chelsea

 

 Blue Bottle  Blue Bottle

 

Um café minúsculo, quase sem lugar para se sentar e feito para pedidos para viagem. Apesar do tamanho pequeno, Blue Bottle fez,  pelo segundo ano, meu melhor Latte que tomei em Nova York. É um exemplo de como o blend de baristas competentes, escolha de grãos e capacidade técnica consegue se impor mesmo sem todo o charme de cafés com sofás e decoração que se encontra por ai.

 

 

 

Intelligentsia (High Line)

180 West 10th street - Chelsea

 

IMG 0018

 

É um café escondido, no saguão do centenário High Line Hotel. Esse foi o lugar escolhido para ser a primeira filial do competente café criado em Chicago. Apesar dos lattes deliciosos e de um brownie de manteiga de amendoim para comer ajoelhado, o café filtrado na Kalita, com grãos encontrados em uma fazenda de Ruanda ( Nshimiyimana Gaspard's Farm) vale por si só a viagem de quase 10 horas para a terra do tio Sam.

 

 

Stumptown

30 West 8th street - Greenwich Village

 

IMG 0031  IMG 0032  

 

Talvez seja o café mais lindo de Nova York. Com um estilo art deco, globos de luz, mármore verde e detalhes em madeira, Stumptown é o melhor lugar para ter uma boa conversa, trabalhar no seu computador e beber um café delicioso, seja espresso ou filtrado (existe um bar só para os filtrados). Recomendo o grão bourbon da Guatemala (Finca El Injerto) feito na v60. Deu vontade de beber uns 2 litros de uma vez.

 

Intelligentsia (Herald Square)

1333 Broadway


Intelligentsia

 

Esse Intelligentsia fica anexo à Urban Outfitters, perto do Empire State Building e da Macy’s o que mantém o café lotado. Lindo, moderno, com algumas opções de filtrados feitos em uma engenhoca automática de controle de agua para V60 (nunca tinha visto) e pouca seleção de comidinhas no balcão. Apesar do ambiente compre-tome-saia, o café vale pela parada se voce achar espaço para sentar. 

 

 

Culture 36

247 W 36th Street

 

 Culture  Culture

 

Com staff simpático, esse café serve o que você procura: café. Com nada ou quase nada de comidinhas, o layout do Culture coffee é feito para pegar aquele café para viagem ou parar por um tempo na enorme mesa comunitária para tomar seu café. O café filtrado já pronto estava delicioso, assim como o sou latte preparado por um barista que adora conversar e vender os pacotinhos de  grãos da prateleira ao lado. 

   

Pushcart

401 W 25th Street


PC  PC

 

Localizado em Chelsea, esse é um café movimentado. Muita gente que trabalha ao lado fazendo reuniões e trabalhando nas mesas. O café com leite de soja estava perfeito e sem aquele gosto de baunilha que você encontra em alguns lugares. Já o café feito na aeropress, que era meu segundo pedido, foi recusado pela barista porque ela estava 'muito ocupada' e perguntou se eu queria um outro café. Isso era por volta das 11.30, fora do horário de rush. Talvez o café estava sem algum staff nesse dia, já que pedir os cafés filtrados disponíveis no menu parecia inviável. 

 

 

Toby's State  (West Village)

44 Charles Street


TBS  TBS


Toby's é um café originalmente australiano, do bairro de Wooloomoolloo. Foi um dos pioneiros aqui em Sydney a investir em café de qualidade, porém hoje, com novos concorrentes, ele deixou de ser relevante. Aproveitando a reputação dos cafés australianos pelo mundo, abriu uma filial em Nova York onde faz bastante sucesso, com um ambiente rústico é um café bem bom, onde se pode tomar o Flat White, famosa invenção australiana.

 

Joe's 

405 W 23rd Street


Joe


Joe's é uma rede de cafés especiais que está se multiplicando por Nova York.  Apesar de cada Joe ter uma característica diferente, alguns conseguem extrapolar sua expectativa. Foi o caso do Joe’s de Chelsea, da 23av, onde duas baristas revezavam entre as máquinas e fizeram um dos melhores lattes daquela semana. As opções de comida variavam de varinhas de cereais caseiras a pedaços de bolo que pareciam bem saborosos. 

 

Third Rail Coffee

240 Sullivan Street


TR


Talvez eu tenha tido um azar tremendo quando estava lá, mas o staff não estava muito amigável. O café filtrado servido no dia era o peruano Tupac Amaru, bom mas não tão memorável. O que valeu a visita foi o café etíope Guji, feito na Chemex. O café é bem pequeno com apenas 6 minúsculas mesas no lado de dentro. 

 

 

Esses são os cafés pequenos, pontuais, que estão por Nova York. E, se você é como eu que precisa tomar um café para poder fazer qualquer coisa em qualquer lugar, a lista continua com os cafés de grandes redes e, claro, de pontos turísticos.

 

Starbucks


Starbucks é polêmico para quem gosta de café especial. Não é pra menos… É muito chantilly, leite, xarope e açúcar para um copo só. Além da torra escuríssima dos grãos (que na verdade ajuda na padronização de sabor em todas as lojas ao redor do mundo), o que dificulta encontrar características sensoriais de cada variedade. Mas se você souber escolher bem, você sairá contente de um Starbucks.

 

Visitei a loja para conhecer o novo “Flat White”, inspirado no famoso “Flat White” aqui da Australia e Nova Zelândia. E não é nada parecido. Muita espuma e muito leite.  

 

S

 

O que o Starbucks faz de melhor (além dos milkshakes com gosto de café), talvez, seja a Clover Machine, uma máquina de fazer café filtrado que controla com precisão as variáveis para um resultado saboroso. E com boas opções de grãos para escolher, as vezes até com micro-lotes ou cafés raros, como o Geisha.

 

S

 

Na semana em que estive lá, tomei um delicioso Konga da Etiópia e um bom West Java. Procure sempre por Starbucks Reserve no menu. 

 

McDonalds

 

McD

 

Café filtrado do McDonalds. Muito melhor que o café já filtrado do Starbucks, mas longe de ser comparado a um café especial. Mas vale o US$1.

 

Metropolitan

 

Metro

 

Talvez ganhe a medalha de o pior café do mundo. Tentei, tentei e tentei beber o café filtrado do Metropolitan, mas não consegui dar 3 goles no caríssimo café. Raras vezes lembro de ter jogado um copo cheio de café no lixo. 

 

Cias Aéreas


Qantas


Viajei pela American Airlines e Qantas. E, por sorte, a Qantas faz um dos melhores cafés servidos em voos que já provei. São feitos por charmosíssimas French Press da marca dinamarquesa Bodum. E é bebível!

 

Já o café da American Airlines…

10.4.14

Quando o café é bom....

Quando o café é ruim, ele te deixa acordado. Cafeína, você sabe. 

Quando o café é bom, além de te deixar acordado, ele te deixa feliz! 



Vim no Intelligentsia de Nova York e fiquei feliz.

Delicioso café equatoriano da variedade typica feito na chemex.


O Intelligentsia NY fica na 10th com a 20th em Chelsea! 

:)

Labels:

28.3.14

Você sabe ler códigos de barras e etiquetas de frutas?

Quando resolvi focar minhas atenções naquilo que compro no supermercado e ter consciência sobre o que é bom pra mim e para o meio-ambiente, descobri algumas coisas interessantíssimas...

Por acordo internacional, todos os produtos com códigos de barra e/ou etiquetas de frutas e legumes precisam ser padronizados para saber a procedência e o meio como foi feito. E existe um meio simples para saber isso.

Por exemplo, como foi cultivada a maçã que você comeu essa manhã?

Existe uma etiqueta nas frutas e/ou na caixa. Nelas há geralmente quatro números:

Se o número começa com:
3 ou 4 = Cultivada pelo método convencional (fazendas, agrotóxicos, produtos químicos, etc)
9 = Produto orgânico
8 = Geneticamente modificado*

*Por ser algo recente, o número 8 ainda não é requerido por lei, mas alguns produtos já colocam isso nas etiquetas.

E sobre os códigos de barras?

Alguns produtos são considerados de um certo país, porém foram fabricados na China, Índia ou qualquer outro país para baratear a produção (que na maioria dos casos significa perda de qualidade e ou mão de obra quase escrava, desqualificada ou até infantil).

Para saber de onde veio, não basta ver o MADE IN ou FABRICADO NO/A. As vezes é embalado ou manufaturado aqui no Brasil mas o conteúdo é quase todo importado. Mas...de onde? Leia o código de barras! 

Em quase todos os produtos ele está lá.

Repare nos 3 primeiros números. Eles mostram onde foram feitos. 
Exemplo: se os números começam com:

789 e 790 = Brasil
778 e 779 = Argentina
690, 691, 692 = China
890 =  Índia
000 a 139 = EUA 
30 a 37 = França
40 a 44 = Alemanha
471 = Taiwan
49 = Japão
50 = Reino Unido
76 = Suíça
80 a 83 = Itália

Alguns produtos de empresas globais de massa, se são produzidos quase inteiramente com produto importado, apesar de ser produzido no Brasil, pode vir com o código de barras do país com a procedência de origem da maior parte dos ingredientes. 

Por exemplo, se você comprar um chocolate, pode ser que o código seja da Suíça. Se você comprar um creme da L’Oreal, pode ser que o código seja francês. Se você comprar um salgadinho de milho, pode ser que o código seja chinês. 

Por isso preste atenção naquilo que você consome. Prefira produtos regionais, com conhecimento da procedência e seja consciente. 

A lista de prefixos de códigos de barras de todos os países você encontra no site da GS1, a organização global por trás dessa padronização: http://www.gs1.org/barcodes/support/prefix_list

20.1.14

Bebidas...

Gente reclamando por aí que as cervejas mais populares do Brasil são feitas com até 45% de milho. E daí? Vodka é feita com batatas!

1.12.13

Armário de comida no quarto


                              
Desde criança tenho um armário de comida no quarto. Em algum momento da minha vida aprendi a ser curioso com sabores e passei a comprar minha própria comida, mesmo morando com minha mãe.

Até 2009 (muito tempo atrás, hein?!), meu azeite diário era o Quinta das Marvalhas, português com denominação de origem protegida. O macarrão era Divella , minha marca predileta, e o molho de tomate era feito com tomates vermelhissimos comprados na feira de sexta-feira durante meu horário de almoço na Vila Olímpia em São Paulo. Sempre com bastante manjericão.  

Aqui na Austrália, essa mania se acentuou: eu fazia meus próprios pães, com meu próprio fermento caseiro - levain- feito com figo fermentado e, entre coisas frescurites, uso sal rosa do Himalaia, mais saudável que o sal de cozinha. 

Nem preciso dizer que café é escolhido a dedo, sempre em grãos e moído na hora. E tudo isso nem vai pra cozinha. Vai direto pro meu armário do quarto.

Pequenas substituições e escolhas que aumentam o prazer na hora de comer.

21.11.13

Le Beaujolais Nouveau est arrive!!!

23.8.13

Café e Cafés especiais


Amo café! Fazer meu café todo dia em casa virou um ritual, um pequeno prazer que não troco por nada.

Mas café não é apenas o café. É praticamente um mundo de sabores, aromas... É como ir ao mercado para comprar maçã ou banana: você tem muitas variedades para escolher.... maçã verde, fuji, gala, a banana nanica, da terra, banana maçã... E cada uma tem um sabor e formato característico.

O café também é uma fruta. E ele também tem suas variedades e espécies. Muitas por sinal. E ainda conhecemos muito pouco de inúmeras espécies.

Basicamente, consumimos 2 tipos de espécies de café: Arábica e Robusta. Arábica tem os grãos mais doces, aromáticos, mais agradáveis ao nosso paladar. Robusta são grãos sem tanta expressão, mas com bastante cafeína e resistentes à algumas doenças que devastam cafezais no mundo inteiro.

Hoje, a tendência de mercado é que todos os cafés sejam 100% arábica. O robusta antigamente era amplamente usado para o nosso mercado interno e, ainda hoje, é usado pra fazer, por exemplo, café solúvel. 

Dentro da espécie Arábica, existem várias variedades de grãos. Gesha, Bourbon, Mocha, Típica... 

E é aí que o mundo dos cafés especiais vai te seduzir e você vai acabar tendo um relacionamento pra vida inteira com ele.

Cada grão tem um gosto tão característico que as vezes nem parece que é café o que você está bebendo.

Hoje, por exemplo, bebi um café filtrado com grãos da fazenda Esmeralda, do Panamá. Lá, eles cultivam a variedade Geisha, famoso pela gosto bem floral, cítrico... É considerado um dos melhores cafés do mundo. Era tão aromático que parecia que misturaram algo no seu café.

Enfim.... Mergulhando no mundo dos cafés especiais, um mundo novo vai se abrir. Caturra, Catuaí, Pacamara, Yirgacheffe, entre outros, vão virar escolhas de sabores. 

Seja curioso, tome café e pergunte sobre o grão. De onde vem, quem produziu, qual variedade... Ao invés de pedir um cappuccino, peça um café filtrado, por exemplo. 

Você nunca mais vai olhar pro café da mesma maneira. :)

Labels:

4.8.13

Preferências

Trabalhando em um café do maior museu de Sydney, reparei que as pessoas pedem sempre a mesma coisa sempre.

Claro, isso não tem valor estatístico nenhum, apenas se refere a uma observação de um único lugar. Algumas coisas são óbvias, outras são curiosas. Algumas que consigo lembrar são:

- Mulher sempre pede salada quando está acompanhada de homem na mesa.
- Mulher sozinha pede pratos mais substanciais, como risottos, pasta ou soupa.
- Mulher com amiga mulher pede sanduíches leves, o preferido são os de peixes. Salmão é sempre o peixe preferido preferido
- Senhoras de idade sempre pedem cappuccinos. Assim como os asiáticos. 90% de acerto!!!
- Senhores de idade pedem cafés bem forte, sem leite. Espresso duplo ou Long Black (2 shots com um pouco de água).
- Homem em meia idade geralmente pede pratos pesados. Ou sanduíches com carne de porco ou boi.
- Raramente homem pede salada.
- Macchiatto e Latte sao os cafés preferidos de homens nos 20 e 30 anos.
- Mulher nos 20 e 30 anos não tem preferência pra cafés, mas geralmente pede com leite desnatado ou soja.
- Mulher que pede Macchiatto geralmente são executivas.
- Vinhos secos brancos como Sauvignon Blanc são os preferidos de 98% das pessoas.
- Vinho Rose é o esquecido de todos.
- Mulher adora champagne. Homem prefere vinho tinto como Shiraz.
- Pinot Noir é o vinho tinto preferido das mulheres.

Consumidores são previsíveis. Especialmente os regulares. Pessoas raramente pedem coisas diferentes.

11.7.13

Supermercado de época

Hoje em dia a gente vai no mercado e parece que voltou no tempo...

Várias marcas exibem comemorativamente sua embalagem de anos atrás... Passa uma idéia de tradição e, claro, vende como água! 

Hoje aqui no mercado comprei umas latas de sopa de tomate Campbell's com rótulo comemorativo dos 51 anos (!!) do famoso quadro do Andy Warhol...  


Comprei também uma lata comemorativa dos 120 anos das aveias Uncle Toby's, hoje uma marca Nestlé. 

1.7.13

Comidinha de avião


Voando: China Southern
Rota: Sydney → Guangzhou, China


Rota: Guangzhou, China → Sydney

Labels:

22.3.13

Mistério sojástico!

Por que todos os leites de soja 'original' tem gosto de baunilha?

Já já vou usar grão de soja pra aromatizar açúcar e bolo!!

10.3.13

Rato no cardápio

Por ser um assunto polêmico, tenho certeza que algumas pessoas não vão conseguir entender o que quero dizer. Mas... Vamos lá.

Na fome e na escassez de alimentos durante guerras e revoluções, os franceses passaram a comer sapos, caramujos, carne de cavalo, etc. Hoje são iguarias caríssimas consumidas mundo afora.

Os chineses, na falta de comida, passaram a comer insetos. Escorpiões, aranhas, larvas... Hoje, é exótico e quase uma obrigação pra quem viaja pra China. Tudo comprado no espetinho nas feirinhas locais.

Na Tailândia, a população bem pobre passou a comer roedores. Hoje, o rato é um dos ingredientes de pratos tradicionais do país. Um dos tantos pratos exóticos da rica (e deliciosa) gastronomia tailandesa.

Aqui na Austrália, passamos a comer canguru por causa da ampla oferta da carne. Uma carne razoalmente barata e nutritiva. Dura e ruim. 

Hoje eu li uma matéria no UOL sobre pessoas que comem rato-rabudo, o punaré. Caçam o roedor selvagem para comer. A população, segundo a própria matéria, acha a carne bem saborosa.

E aí? Por que essa mentalidade de "coitadificar"?

Aposto que se um Adriá, Atala, Acurio ou Bocuse usar o punaré e o prepará-lo bem em alguma receita, ele seria um visionário ou um gênio.

Não. Gênio e visionário é esse povo que, com a necessidade, consegue e prefere encontrar e preparar comida fora dos meios convencionais a morrer de fome.

9.2.13

Green Curry


Eu AMO Green Curry / Curry Verde. O prato tailandês que eu mais amo no mundo!! hehe

19.1.13

Bacon

O bacon acaba de ser promovido ao queridinho da gastronomia. Ele está ganhando espaço em receitas doces, como sorvetes, milk shakes e bolos.

Postei aqui uma das melhores sobremesas que já comi na vida.... Que incluia um sorvete com uma generosa fatia de bacon... Já vi sundae com bacon picadinho... já vi Milk Shake de bacon...

Acho que estamos achando descobrindo novos sabores!

6.1.13

10 Tendências e Previsões Gastronômicas para 2013

O ano já começou. Vou me arriscar a fazer algumas previsões para a gastronomia em 2013. O que veremos mais e o que veremos menos durante o ano e o que temos que ficar de olho.

OUT não necessariamente significa que estará fora de moda ou ultrapassado. No meu contexto, significa que será algo com menor evidência dos anos anteriores. 

IN no meu contexto, significa que temos que ficar de olho e o que será/está virando tendência na área.

Claro, essa é a minha visão baseada em inúmeras leituras durante o ano, experiências pessoais e percepção. 

------------------------------------------------------------------------------
out: Alimentos fat free / 0% de gordura
in: Alimentos sem glutén e sem lactose
------------------------------------------------------------------------------
out: Comida vegetariana
in: Peixe
------------------------------------------------------------------------------
out: Quinoa
in: Semente de Chia
------------------------------------------------------------------------------
out: Café extraído pela máquina de espresso
in: Café coado, de filtro, a vácuo, a frio, french press...
------------------------------------------------------------------------------
out: Postar comida no Instagram
in: Compartilhar fotos de comida em aplicativos, redes específicas 
------------------------------------------------------------------------------
out: Bebida sem açúcar
in: Bebida com açúcar reduzido
------------------------------------------------------------------------------
out: Prato branco redondo em restaurante
in: Novos formatos e bases (madeira, bamboo, etc)
------------------------------------------------------------------------------
out: Iguarias importadas do estilo foie gras, caviar, e afins
in: Iguarias brasileiras, principalmente da Amazônia
------------------------------------------------------------------------------
out: Chefs celebridades como Jamie Oliver, Gordon Ramsay, Nigella, etc 
in: Novos chefs celebridades. 
------------------------------------------------------------------------------
out: Alex Atala
in: Helena Rizzo
------------------------------------------------------------------------------

7.12.12

4 anos de Bistrozinho!!

15.11.12

Le Beaujolais Nouveau est arrive!!!!!

5.11.12

Adivinha o que estou fazendo...

31.10.12

Não quer entrar para tomar uma xícara de café?


A crise econômica nos EUA e na Europa está influenciando o mercado de café e gerando uma tendência curiosa. 

Geralmente em tempos de recessão, a economia entra no que os economistas chamam de Fator Latte:  se você deixar de tomar o seu latte, espresso, cappuccino por dia no Starbucks ou naquele lugar perto do trabalho, você economiza não sei quantos (muitos) mil dólares no final do ano. 

Mas recentemente tudo mudou e aponta-se a uma tendência: as pessoas não desistiram de tomar café, mas passaram a tomar em casa, com o cuidado de não comprometer a qualidade.

As máquinas de espresso estão se popularizando muito rápido e há uma explosão de vendas nas máquinas que funcionam com cápsulas, como as da Nespresso.

Mas será que os cafés em cápsulas serão o futuro do café feito em casa?

Segundo pesquisa do instituto Euromonitor, não.  Com o aumento da concorrência das máquinas de café em cápsulas, os preços estão despencando, fazendo com que as pessoas preterem as famosas cafeteiras de filtro de papel. O ápice se dará em 2014, quando as máquinas com cápsulas serão o método caseiro mais popular de se fazer café. Mas o fato é que hoje essas máquinas estão introduzindo muita gente no mercado gourmet de café, sabendo escolher blends, origem e procedência.

Já as máquinas de espresso estão sofrendo uma "premiumização", se tornando um produto premium.

Ou seja, daqui há alguns anos os consumidores de máquinas com cápsulas se sentirão amarrados a uma determinada marca, sem poder trocar ou provar outros tipos de cafés e passarão a desejar um produto mais premium, podendo gastar um pouco mais com uma cafeteira espresso, livres para escolher e comprar o grão que quiser e onde bem entender.

Ou seja, o mercado de café segue inovando e se mostrando bem dinâmico mesmo em tempos de crise.

Labels: , ,

30.10.12

Ovos de galinhas livres, felizes e soltas!

O segundo maior supermercado da Australia, Coles, anunciou que, a partir de janeiro de 2013 nao comercializará mais ovos de galinhas criadas em gaiolas. Os ovos serão todos de galinhas criadas livres.

Isso é um enorme passo, visto que quase metade de toda a venda de ovos do supermercado é produzido em gaiolas de granjas.

Seria uma boa idéia para os supermercados brasileiros, hein?!

Aliás, qual seria a melhor tradução pro português para ovos free range e caged eggs?

26.10.12

Como fazer uma vitamina antioxidante

Você sabe ou já ouviu falar do poder dos antioxidantes, que ajudam a combater os radicais livres e o colesterol ruim do organismo...

Pois bem... Fiz uma vitamina que é uma BOMBA de antioxidantes e de vitaminas!! Perfeita para o verão e para manter um corpo saudável. Além do mais, a cor é linda...


Vitamina de Frutas Vermelhas e Azul

Ingreditentes:

- 5 morangos grandes
- 1 punhado de amora
- 1 punhado de framboesa
- 1 punhado de blueberry ou mirtilos
- 1 colher de sopa de mel
- 350ml de leite de soja ou leite

Preparo: Junta tudo no liquidificador e bate até ficar com uma cor uniforme, com essa cor linda hehe..

Uma dica: Para ser prático, eu compro todas essas frutas já congeladas no supermercado. Na hora de fazer a vitamina, bato tudo congelado no liquidificador. Bem refrescante. :)

24.10.12

Mel: o único alimento que nunca estraga

Você sabia que o mel é o único alimento que nunca estraga e que nunca vence?

Isso porque o mel tem uma alta concentração de açúcares e quase nada de água, o que impede o crescimento de bactérias e a fermentação.

Por lei, todo alimento precisa ter uma data de vencimento. No Brasil, o mel precisa ter validade de até 2 anos. 

Segundo a maior pesquisadora mundial do assunto, Eva Crane,  conta no livro "The Archaeology of Beekeeping (1983)" que em escavações de tumbas no Egito foram encontrados diversos potes com mel. Esses potes com mel, já cristalizados, foram levemente aquecidos e, pasmem, continuam com seu sabor e propriedades intactos, perfeito para o consumo.

E olha que foram colocados em tumbas com 3000 anos!

Por essas e outras, prefira usar mel ao invés de açúcar para adoçar e compre os produtos em potes de vidro para evitar toxinas como o BPA (bisfenol A) dos potes de plástico.

18.10.12

Kopi Luwak: A curiosidade está matando o gato

Talvez você já tenha ouvido falar de um café muito caro e raro, feito com grãos defecados por um animal.

Esse café é o Kopi Luwak, mundialmente conhecido por ser o café mais caro do mundo. Ele é produzido por civetas asiáticas, uma espécie de gato selvagem que vive na Indonésia e Filipinas. 

A civeta costuma selecionar e comer os grãos mais maduros e doces das plantações de café. Os grãos passam pelo sistema digestivo, onde entram em contato com enzimas que diminuem os peptídeos e aumentam os aminoácidos livres (bla bla bla), fazendo com que o grão, ao ser defecado, limpado e levemente torrado tenha um sabor menos amargo. Tudo isso, claro, em teoria.


Pois bem, há algumas semanas meu amigo holandês Bob esteve em Bali e me trouxe alguns presentinhos, e, todo empolgado, começou a mostrar fotos da plantação de café e como o café era produzido e, digamos, defecado pelo animal. Ao olhar as fotos, fiquei um pouco chocado com a crueldade e foi isso que me levou a escrever esse post.


As fotos (abaixo) mostram várias civetas presas em jaulas e forçadas a consumirem grãos de café para terem as fezes colhidas e vendidas a peso de ouro.



E exatamente aí que entra a polêmica: o Kopi Luwak é famoso, caro e raro porque as civetas escolhem somente os melhores e mais doces grãos de plantações de café. Os produtores, tentando lucrar com a curiosidade e fama mundial das fezes do bichano, criam em cativeiro, muitas vezes sob mau tratos. E isso foge da lógica de se tomar um Kopi Luwak.

Além disso, alguns produtores forjam produções para lucrar. A maior e mais importante associação de café do mundo, a SCAA (Specialty Coffee Association of America), denunciou que o consumo de Kopi Luwak é bem maior que a atual produção, estimada em 230 kgs anuais. O seja, você está comprando gato por lebre (desculpa o trocadilho).

Lendo um pouco sobre as civetas, descobri que a 
International Coffee Consulting Group resolveu testar os mesmos grãos das plantações onde a civeta vive e, segundo análise, o café feito pelos grãos defecados tem um sabor inferior, chegando a diferença de 4 pontos na escala da SCAA de um café feito pelo método tradicional. Ou seja, o café não ganha em qualidade ou propriedades. Ao contrário.

Polêmicas a parte, o valor pago pelo Kopi Luwak se refere ao preço da história, de tomar um café exótico defecado por um tipo de gato. E essa curiosidade, literalmente, está matando o gato.

15.10.12

Lollo na terra dos cangurus...

Olha só... 
Conheçam o primeiro Lollo da nova geração aqui na Austrália (ou até que se prove o contrário)... Haha  

 

Ganhei de uma amiga querida que acabou de chegar aqui... :) 

13.10.12

Sorvete com Bacon????



Pense em tudo aquilo que você, quando criança, foi completamente proibido de comer antes de jantar ou almoçar pela sua mãe. Tudo aquilo que era besteira e junk food.

Pensou? Agora junta tudo isso num prato e coloque o nome de Stoner's Delight. Parece que foi essa a linha de raciocínio que o chef do restaurante Ms. G's aqui de Sydney teve ao criar essa sobremesa. 

Nada mais é que um sorvete sabor donut (sim, sorvete sabor rosquinhas), manteiga de amendoim, geléia de framboesa, batata palha, banana frita, uma barra de chocolate Mars e, claro, uma fatia generosa de bacon caramelizado (sim, BACON... aquele do porco... Oinc oinc!!!) 

Você acha que essa combinação daria certo? Pois bem, talvez essa seja uma das sobremesas mais deliciosas que já comi em toda minha vida. Tudo parece muito bem equilibrado (equilibrado em altos níveis de açúcares e gordura, glicosicamente falando), não se torna enjoativa e você ainda fica a orelha coçando pensando se pede mais um ou não... 

É uma obra prima feita de trilhões de calorias que te deixariam correndo em uma esteira durante 3 meses só para perde-las. Mas que tudo funciona muito bem. 

Digamos que é um grito de liberdade e, porque não, um pouco de irresponsabilidade. 

Para refletir a vida. :) 


Labels: , , , , ,

1.10.12

1000 coisas para comer antes de morrer

#0011 Flocos de Sal do Rio Murray


O rio Murray que corta o sul da Austrália ganhou fama internacional pelo seu sal gourmet de coloração levemente rosada. 

Por ter um sabor suave e único, rico em minerais - o que lhe confere a característica cor, é usado nas principais cozinhas mundiais para finalizar pratos e saladas. 


Além do mais, é lindo encontrá-lo servidos em pequenos potes de porcelana branca nos restaurantes australianos. Um simples detalhe que faz toda a diferença. Uma experiência única. :)



Labels:

19.9.12

É... O tomate tá ficando caro no mundo todo!!

13.9.12

Qual é a mágica dos Macarons?

Qual é o segredo que se encontra por trás da receita de Macaron?

Talvez seja o doce mais "glamurizado" do mundo. Filas enormes para comprar na Ladurée em Paris, filas enormes para comprar em qualquer outra filial da Ladurée no mundo, seja no shopping JK Iguatemi em São Paulo, seja em Dubai ou Kuwait.

Ladurée foi a criadora dos macarons modernos. Digamos que ela é o padrão que todas os confeiteiros almejam nos seus pequenos sanduíches de merengue e amêndoas com ganache.

E, claro, algumas confeitarias conseguem destaque nesse mundo regido pela Ladurée. Em São Paulo, os macarons do chef Fabrice Le Lud, da Douce France são deliciosos, talvez os melhores da cidade e o meu segundo favorito de todos os que já experiementei.


Aqui em Sydney temos o chef Adriano Zumbo. Zumbo ganhou destaque na mídia por sua fama com os macarons. São os mais famosos da Austrália e ele conseguiu uma projeção incrível,  tornando-o em chef celebridade, o mais famoso patissier da Oceania. Não raro, você liga a TV e ele está lá, ensinando a fazer macarons no MasterChef, no Big Brother, no telejornal, na novela, nos comerciais...

Mas posso ser sincero? Se fizermos um ranking, Adriano Zumbo não entraria nos TOP 5 dos melhores macarons que já comi. Eles deixaram de ser artesanais para se tornar um produto de massa para ser fabricado e vendido nas diversas lojas pela cidade. Perdeu o charme.

O ponto positivo é que o Zumbo consegue criar sabores inimagináveis para macarons, como:

- Vegemite (uma pasta salgada feita a base de levedura de cerveja, ícone australiano)
- Vinagre
- Pipoca amanteigada
- Panqueca (!!)
- Chá gelado de pêssego (!!!!!)

A cada estação, novos sabores. Outro dia tinha um metalizado, com glitter comestível. Vamos combinar  que glitter comestível é a pior coisa que existe na gastronomia. Deve ser comestível pq você não morre... hahaha

Macarons é de uma simplicidade incrível quando se lê a receita, mas exige técnica pura para fazer.

Enfim...

No link abaixo, você pode ler minha tentativa de fazer macarons há alguns anos com a receita do chef Fabrice Le Nud

Macarons: 1ª tentativa!!

Vale a pena ler os comentários do post, cheio de dicas dos leitores.

E se você souber uma receita infalível de macarons, compartilhe conosco.

Ah, agora o Bistrozinho está no Facebook. Clique aqui, visite e curta! :)

12.9.12

Melhores destinos de férias para food lovers


A revista inglesa Which? publicou nessa semana uma pesquisa feita com leitores e especialistas para escolher o melhor destino de férias - fora do Reino Unido - para os food lovers, os amantes de gastronomia. Adivinha o resultado:

1º lugar: San Sebastian - Espanha
2º lugar: Tóquio - Japão
3º lugar: Sidney - Austrália
4º lugar: Empate entre Nova York, EUA e Paris, França.
6º lugar: Copenhagen - Dinamarca
7º lugar: Emilia Romagna - Itália

O que isso significa? Absolutamente nada, tirando o fato que São Paulo precisa ser visto como um destino de férias. Se conseguirmos, seremos os primeiros. :)

A foto do post é do picnic anual que acontece na Harbour Bridge, a ponte mais famosa da cidade, onde o transito é fechado e o asfalto é forrado de grama sintética.

Experiência única que eu sonho que isso poderia acontecer na nossa Ponte Estaiada de São Paulo.

4.9.12

Quase a perfeição


A vida não pode ser 100% perfeita, mas 85% já me enche de felicidade!

31.8.12

Hard Rock Café

Ontem fui ao meu primeiro Hard Rock Café. Foi aqui em Sydney, aberto há menos de 1 ano em Darling Harbour, uma parte da baía de Sydney cheia de restaurantes, shopping e a maior tela IMAX de cinema do mundo.

Confesso que em nenhum momento da minha vida tive a atração de conhecer o local ou a marca Hard Rock Café. Fomos porque íamos jantar em um outro restaurante e a fila de espera era de 2 horas.

Enfim, apesar de alguns pontos positivos na decoração, a comida é horrível. O preço é razoável, mas a comida é horrível. Pedi um filé de frango com ervas e vegetais. O frango estava duro demais, os vegetais não estavam frescos (algumas vagens estavam podres! sim, podres), e o puré quase uma farofa.

Sem contar as marcas de dedo e beterraba no meu prato (minha amiga pediu um hamburger com beterraba, daí - espero - a falta de cuidado do cozinheiro na hora de fazer meu prato).

Tudo muito ruim. Não gostei.

9.8.12

Jamie's Italian Austrália


Black Angel Spaghetti

Ontem foi a vez de experimentar o Black Angel Spaghetti no Jamie's Italian, o restaurante de comida italiana (bem barata, por sinal) do Jamie Oliver.

O spaghetti, que na verdade poderia ser um spaghettini, é feito com tinta de lula, o que dá esse tom preto na pasta.  Tudo temperado com bastante - eu disse BASTANTE - chilli, alho, vinho e algumas vieiras. 

Gostoso mas não recomendado para quem está com namorado(a) ou num date. A não ser, é claro, que vc leve uma escova de dente na bolsa! :)

3.8.12

Café da Jamaica

Acabei de experimentar um café jamaicano, Wallenford Estate, de Blue Mountain.

Gostoso, levemente doce e balanceado nas não tão especial como o preço sugere. Mesmo assim, o meu melhor café desde o começo de julho. O da foto é um espresso duplo.

31.5.12

Mitos na cozinha

1. Ovos podres boiam em água gelada
Verdade. Quando o ovo estraga, a membrana que separa a clara da casca estoura e cria uma bolsa de ar, o que faz o ovo boiar na água.

2. Óleo na água ajuda o macarrão a ficar soltinho
Mito. O óleo na água do macarrão não deixa os fios soltinhos. Além disso, o molho não vai agarrar nos fios e vai deslizar direto pro fundo do prato.  Para fazer uma pasta soltinha, é só cozinhar em água fervendo. As bolhas ajudarão a movimentar os fios e separá-los.

3. Congelar pó ou grão de café ajuda a manter o sabor por mais tempo.
Mito. Café, seja em grão ou em pó se deteriora muito rápido e armazená-los no freezer vai afetar a viscosidade dos óleos essenciais, aqueles que dão sabor ao café, além de diminuir a crema. Por isso, compre sempre café em pequenas quantidades e use o quanto antes. 

4. Comida cozinha mais rápido em água com sal.
Verdade. Qualquer substância solúvel em água ajuda a ferver mais rápido. O sal ajuda a realçar o sabor e a diminuir a perda de gosto dos vegetais. 

5. Colocar uma colher no gargalo da garrafa de espumante aberta ajuda a conservar as bolhas
Mentira. Muita gente acredita que colocar uma colher pendurada dentro de uma garrafa de champanhe ou outro espumantes ajuda a não perder o gás. Isso é coisa de folclore francês, que se espalhou pelo mundo. O dióxido de carbono que faz as bolhinhas (perlage) aparecerem só será conservado se a garrafa estiver fechada sob pressão. 

6. Selar a carne na frigideira ajuda a conservar a umidade e os sucos dentro da carne.
Mentira. Quando você frita um bife e a carne vermelha faz aquela "crosta" meio marrom (a famosa reação de Maillard), essa crosta não é a prova d'água e a carne via continuar secando e vaporizando. 

7. Cogumelos continuam a crescer depois de colhidos
Verdade. Eles continuam a crescer por até 4 dias depois de colhidos. Por isso eles sao armazenados em sacos de papel para não estragarem. Já os cogumelos mais raros como o shimeji, sao armazenados em plástico para não desidratarem. 

8. Colocar uma banana madura junto com outras frutas verdes ajuda a amadurece-las.
Verdade. A banana madura solta uma grande quantidade de etileno, o que ajuda as frutas a amadurecerem. O abacate também é, digamos, um super acelerador de amadurecimento.