17.9.20

Cupom de desconto

Cupons desconto ūüėĀ


Ifood:

Ganhe R$ 15: GQYF62L9KE


Rappi:

Ganhe R$ 150 em frete: tliacet31


PicPay:

Ganhe R$ 10: 21P8C4


Ame:

Ganhe R$ 10: YYMUY

10.4.20


Bolo Australiano de Banana

Ingredientes:
  • 125g de manteiga
  • 100g de a√ß√ļcar mascavo
  • 2 colheres de caf√© de ess√™ncia de baunilha
  • 2 ovos
  • 350g de banana amassada
  • 265g de farinha com fermento peneirada
  • 1 colher de caf√© de bicarbonato de s√≥dio
  • 80ml de leite

Modo de Preparo:

Passo 1:
Aqueça o forno a 180C. Unte uma assadeira média (por volta de 22cm).

Passo 2:
Usando uma batedeira, bata a manteiga, o a√ß√ļcar e a baunilha por 5 minutos ou at√© ficar cremoso.

Passo 3:
Adicione os ovos (um por vez), batendo bem a cada adição. Transfira para uma tigela maior. Usando uma colher de pau, adicione e misture gentilmente as bananas, o bicarbonato de sódio, o leite e a farinha. A dica aqui é adicionar aos poucos e sempre mexendo com a colher. Misture até ficar tudo homogêneo.

Passo 4:
Coloque essa mistura na assadeira e leve ao forno por 30 minutos ou at√© o garfo espetado sair limpo. Deixe esfriar por 10 minutos at√© desenformar. 


Substitui√ß√Ķes:
  • A√ß√ļcar Mascavo pode ser trocado pelo Demerara ou at√© mesmo o branco.
  • Eu fa√ßo uma mistura de 50% de farinha branca e 50% de farinha integral. 
  • Eu uso leite de soja ao inv√©s de leite de vaca.

Importante:
Use todos os ingredientes em temperatura ambiente. 

Cobertura:
Caso voc√™ goste de cobertura, misture o suco de 2 laranjas com 125g de a√ß√ļcar. Leve ao fogo at√© ferver. Mexa por 5 minutos.Desligue o fogo, espere esfriar um pouco e coloque sobre o bolo. 

Bolo Australiano de Cenoura

Ingredientes:

  • Meio copo (80g) de A√ß√ļcar Mascavo
  • 3/4 de copo (185ml) de Azeite de Oliva
  • Meio copo (125 ml) de Maple
  • 3 ovos
  • 1 colher de caf√© de ess√™ncia de Baunilha
  • 1 copo (150g) de farinha de trigo com fermento
  • 1/2 copo (75g) de farinha de trigo (sem fermento)
  • 1 colher de caf√© de bicarbonato de s√≥dio
  • Meia colher de caf√© de canela em p√≥
  • 2 (300g) cenouras descascadas e raladas


Modo de Preparo:

Passo 1:
Aqueça o forno em 170C. Unte uma assadeira redonda (aproximadamente 20cm).

Passo 2:
Em uma tigela, junte o a√ß√ļcar, azeite, xarope, ovos e a ess√™ncia de Baunilha. Use um fouet ou batedor manual para misturar at√© ficar homog√™neo.

Passo 3:
Peneire as farinhas, o bicarbonato e a canela em uma outra tigela. 

Passo 4:
Coloque a mistura dos ovos (as do Passo 2) na mistura das farinhas (as do passo 3). Usando uma colher de pau, misture bem os ingredientes e adicione as cenouras raladas. Misture gentilmente.

Passo 5:
Coloque a massa na assadeira e asse por 1 hora ou at√© o garfo espetado sair limpo.  Espere 5 minutos at√© desenformar. Ideal √© depois de 5 minutos desenformar e esperar o bolo esfriar completamente em uma grelha. 


Substitui√ß√Ķes:
  • Eu substituo o azeite por 100g de manteiga + 70ml de azeite
  • A√ß√ļcar Mascavo pode ser trocado pelo Demerara ou at√© mesmo o branco.
  • Maple pode ser usado Xarope de Glucose (Karo) ou Mel. Um amigo fez com a√ß√ļcar queimado (Aquele de cobertura para pudim) e funcionou.
  • Eu troco os 75g de Farinha branca por 75g de farinha de trigo integral

Importante:
Use todos os ingredientes em temperatura ambiente. 

Cobertura:
Caso voc√™ goste de cobertura, misture 80g de a√ß√ļcar de confeiteiro + 250g de cream cheese (tipo aqueles da Philadelphia) em uma tigela. Misture com uma colher de pau at√© ficar homog√™neo. 

20.12.18

Melhor parte do Natal

√Č claro que √© o panetone... molhadinho, fofinho....

espero o ano todo pra poder me empanturrar de panetone! :)

19.11.18

Café é o novo vinho?

Voc√™, caro leitor, gostando ou n√£o de caf√©, deve ter reparado que o caf√© est√° passando por uma revolu√ß√£o na √ļltima d√©cada:

No supermercado, o caf√© em p√≥ em saquinho passou a ser embalado a v√°cuo e nas prateleiras come√ßaram a surgir novas marcas, caf√©s em gr√£os e de regi√Ķes como mogiana, cerrado, sul de Minas... Agora estampam "100% Ar√°bica" com o maior orgulho... Antigamente bastava dizer que era o caf√© que a mam√£e prepara com todo o carinho.


Na rua, cafeterias pipocam e praticamente est√£o competindo em quantidade com petshops e pizzarias. Famosas redes de caf√©, como o Fran's em S√£o Paulo, est√£o se reformulando, renovando para poder competir com as milhares de novas op√ß√Ķes que os consumidores t√™m: de Starbucks √† cafeterias de caf√©s especiais.

Em casa, a moda é café em cápsula. Hoje em dia as máquinas de café sairam da cozinha e fora pra sala de estar... A Nespresso virou hit por sua praticidade e pelo design.

E, no ambiente social, certeza que voc√™ j√° deve ter ouvido as express√Ķes "caf√© gourmet" ou que o "caf√© √© como vinho".

Aliás, você precisa ter muito cuidado com a palavra gourmet. Gourmet não é categoria de supermercado. Gourmet é muito mais um movimento... Com o café, baristas escolhem o grão e o preparam na forma de resaltar as suas melhores propriedades. Coisa gourmet em supermercado é baboseira. Pode ser Premium, mas não gourmet.

Bom, assim como alguns jornalistas e escritores americanos apelidaram, estamos em uma "Terceira Onda do Caf√©‚ÄĚ, indo em dire√ß√£o √† uma quarta onda, n√£o se sabe ainda para onde exatamente, mas eu acho que √© algo entre o cold brew e outras formas de extra√ß√£o.

Recentemente estou vendo alguns lançamentos de cold brew em agua de coco, ou até em kombucha (o que eu acho bem curioso porque café tem propriedades antibacterianas e o melhor do Kombucha são as…bacterias!).

E também devagarzinho estamos descobrindo um lugar fora do café Arabica ou Robusta (Canefora) como Geisha ou ainda coisas novas dentro da variedade Liberica.

16.11.18

Le Beaujolais Nouveau est arrive!!!!!

12.11.18

Paris 6

O natal est√° chegando e, claro, as decora√ß√Ķes de natal j√° comecam a pipocar por toda a cidade desde outubro. Com tantas luzinhas e piscas-piscas por a√≠, me fazem lembrar das 2374 arandelas no Paris 6 da Haddock Lobo em Sao Paulo.

Alguém tem algum update sobre como está esse restaurante temático nos dias atuais?

Infelizmente n√£o consigo dar uma passadinha pra ver as luzes parisienses l√°, mas curioso pra saber como anda o menu...

Sera que ainda existe o Macarrão à Dani Bolina? E a salada Danielle Winits? E as entradinhas com nomes de ex-bbs?

Por favor, foto do menu ser√° muito apreciado e recompensado!

30.7.18

Bolo de chocolate - A versão mais saudável possível (ou quase)!

Se existe algo que me traz lembran√ßas da inf√Ęncia √© cheirinho de bolo de chocolate. L√° em casa, o famoso bolo da minha m√£e era uma festa toda vez que estava no forno e outra festa quando estava na temperatura certa para poder pegar os peda√ßos sem se queimar, assim que sa√≠sse do forno.

Quando eu for pro Brasil na próxima vez vou ver com minha mãe e procurar a receita do bolo de chocolate. Mas, enquanto isso, e ando fazendo uma receita fácil de bolo, adaptda de uma receita da Nigella Lawson.

Ela √© adaptada para ser um pouco mais saud√°vel que a receita original, j√° que farinha branca, a√ß√ļcar refinado, √≥leo de soja e margarina sao vil√Ķes hoje em dia.

Eis a receita do Bolo de Chocolate


Ingredientes
Massa:

- 400g de farinha integral
- 250g de a√ß√ļcar mascavo
- 100g de a√ß√ļcar de rapadura (ou pode usar o mascavo tb)
- 50g de cacau em p√≥ (ou procure um chocolate em p√≥ que tenha o m√≠nimo de a√ß√ļcar poss√≠vel.)
- 2 colheres de sopa de fermento
- 1 colher de sopa de bicarbonato de sódio
- ¬Ĺ colher de sobremesa de sal
- 3 ovos (temperatura ambiente)
- 142ml de creme de leite (ou creme azedo/ sour cream)
- 1 colher de sopa de extrato de baunilha
- 175g de manteiga sem sal, temperatura ambiente
- 125ml de azeite de oliva (se extra-virgem, melhor!)
- 300ml de leite (ou leite de soja/amendoa/coco/aveia)

Cobertura:

- 175g de chocolate amargo (de novo, quanto menos a√ß√ļcar, melhor. Eu usei 100% cacau, mas √© porque tinha especialmente em casa)
- 200g de manteiga sem sal
- 1 lata de leite condensado

Modo de fazer
Pr√©-aque√ßa o forno a 180¬ļC.

Num recipente, misture a farinha, os a√ß√ļcares, o chocolate, o fermento, o bicarbonato e o sal. Em outro recipiente, misture os ovos, o creme de leite e a baunilha.
Com uma batedeira, misture a manteiga e o azeite até que se misturem, em seguida adicioneo leite e os ingredientes secos. Misture devagar.
Adicione a mistura com ovo, e misture novamente. Coloque nas formas untadas previamente. Cozinhe os bolos por cerca de 50 minutos e deixe que esfriem em suas formas por 15 minutos antes de retirá-los. O tempo de cozimento depende muito da sua forma, do seu forno e da quantiadade de massa que você colocou. Portanto, fique de olho e use o famoso método científico de espetar um palito de dente ou garfo e ver se sai limpo para saber se o bolo já está assado.

Para fazer a cobertura, misture os ingredientes em uma panela e leve ao fogo em baixa temperatura e mexa até ficar grosso, a ponto de ver o fundo da panela ao mexer. (ponto de brigadeiro).

29.7.18

Bolo de chocolate saboroso e saud√°vel. Existe?

23.1.18

Torta de Ameixas da Marian Burros



Entre 1983 e 1989, o The New York Times publicou durante os meses de setembro uma receita de torta de ameixas da chef Mariam Burros. Em 1989, o editor resolveu que seria o √ļltimo ano que essa receita seria publicada no jornal. No ano seguinte, uma enxurrada de cartas pedindo a publica√ß√£o da receita fez com que o jornal voltasse a publicar. Desde ent√£o, todos os anos, em setembro, a receita volta a ser publicada tradicionalmente no NYT.

Em uma enquete h√° 5 anos atr√°s para escolher a receita favorita dos leitores, essa torta de ameixa foi eleita com 3 vezes mais votos que a segunda colocada.

De onde vem esse apego? Talvez pela simplicidade da receita e por quase zero chances de dar errada. Ou talvez por ser tão versátil e substituir as ameixas por qualquer outra fruta. De fato, é muito simples, rápido e o resultado surpreende.

Torta de Ameixas da Marian Burros

Ingredientes:
- 3/4 de uma x√≠cara de a√ß√ļcar (ou 130g)
- 1/2 xícara de manteiga sem sal (ou 115g), em temperatura ambiente.
- 1 xícara de farinha de trigo integral (sem fermento) (ou 125g)
- 1 colher de café de fermento em pó
- 1 pitada de sal (opcional)
- 2 ovos grandes
- 24 metades de ameixa roxa pequena, sem caroço. (ou a quantidade de você quiser e que caiba na forma. Eu usei só 8 metades)
- 1 lim√£o siciliano pra cobertura (opcional)
- Canela em pó pra cobertura (opcional)

Preparo:
- Pré-aqueça o forno em 175C
Enquanto voc√™ deixa o forno aquecendo, fa√ßa um creme com a manteiga e o a√ß√ļcar em uma tigela grande. Nem precisa usar a batedeira. Um foet ou ate mesmo um garfo serve. Adicione a farinha peneirada, o fermento, a pitada de sal e os ovos e bata bem (exerc√≠cio pro bra√ßo! vamos l√°! Nada √© f√°cil nessa vida!).

Depois despeje a massa em uma assadeira redonda ( entre 20 e 25cm de di√Ęmetro) untada ou forrada com papel manteiga. Coloque delicadamente as metades da ameixa por cima, como na foto, por cima da massa.


Polvilhe canela (se voc√™ gosta) e um pouco de lim√£o para acertar a acidez das frutas. (Eu nem me preocupei com os lim√Ķes!)

Asse por volta de 40 ou 50 minutos, (até aquele método científico da vovó de espetar um garfo ou palito de dente e ele sair limpo). Espere esfriar e sirva.

Serve até 8 pessoas. (Mas pelo amor, se vier 8 pessoas na sua casa, não me vá fazer só uma torta!!) :)

10.7.16

Cultura é…

Empanada, crepe, bauru, taco, gyoza, wonton, pierogi, croque monsieur, coxinha, hamburger, ravioli… Cultura é um pedaço de carne envolvido em massa.

23.4.16

Puro chocolate


Chocolate amargo n√£o √© amargo. √Č puro chocolate. E dependendo da regi√£o ou variedade do cacau, o sabor muda completamente. √Č poss√≠vel descobrir uma longa hist√≥ria de produ√ß√£o e processos s√≥ provando o chocolate. Assim acontece tamb√©m com o caf√© e vinho.

Chocolate

Estou lindo um livro incrível. Chama-se "Bread, Wine and Chocolate" de uma escritora americana nascida na Alemanha com background indiano e que vivia aqui em Melbourne (confuso, né).

Conheci esse livro por acaso, alguém que sigo no Twitter estava comentando dele no lançamento. Comprei, e, coincidentemente, comecei a ler o livro em São Francisco exatamente onde os capítulos de vinho e chocolate estão situados.

Adoro vinho, tenho os meus vinhos preferidos e compro sempre das variedades que gosto ou dependendo da regi√£o (Shiraz da Austr√°lia, Malbec da Argentina, etc etc). Mas reparei que vinho n√£o me interessa muito. N√£o tanta curiosidade de estudar, de me aprofundar no assunto.

Me lembro que em 2004 eu comecei a me interessar mais profundamente por determinados alimentos. Comecei a estudar, degustar e pesquisar sobre azeites. 

Em 2009 minha paixão por café começou a aguçar minha curiosidade e mergulhei de cabeça para estudar variedades, biologia e química do café. A cada dia que passo quero saber mais e mais.

E, desde o m√™s passado quando acabei de ler o capitulo de chocolate do livro, estou fascinado pelo mundo do cacau. √Č uma diversidade enorme de esp√©cies, sabores, processos. Lembra muito produ√ß√£o de caf√©.  E, se o mundo de caf√©s especiais est√° dando os primeiros passos, tenho a impress√£o que o mundo do cacau especial ainda nem come√ßou a caminhar. S√£o oportunidades incr√≠veis.

Recentemente meus dias est√£o terminando provando chocolate 85% cacau ou superior, de origem √ļnica (single origin) e lendo artigos e estudos sobre cacau especiais.

E, claro, vou precisar dividir isso com voc√™s nos pr√≥ximos posts. :) 



26.3.16

Mas qual é esse café?

Parece que a cena de caf√©s em S√£o Paulo precisa acelerar o passo. N√£o estou morando mais em S√£o Paulo, mas aparentemente tenho acompanhado not√≠cias que um monte de caf√©s especiais est√£o abrindo na cidade, al√©m, claro, da existencia do Coffee Lab, que faria inveja em qualquer cidade do mundo, uma referencia mundial. Minha liga√ß√£o por caf√© come√ßou junto com a abertura de alguns caf√©s especiais em S√£o Paulo como o Santo Grao e logo depois o Suplicy nos Jardins. O Santo Grao sempre foi meu lugar favorito para sentar, conversar, tomar caf√© e conhecer mais sobre origens. Foi ali que tomei meu primeiro Kopi luwak (quando a palavra crueldade ainda n√£o estava atachada nele), e onde era um lugar para, com sorte, provar outros caf√©s de fora do Brasil. Passaram a vender s√≥ caf√©s brasileiros (o que acho justo por causa da impossibilidade de importa√ß√£o de gr√£os verdes e tem muito caf√© bom por aqui). De 2009 pra c√° tenho visitado o santo grao anualmente. Entendo que um neg√≥cio para sobreviver no Brasil precisa ser criativo e diversificado. O Santo Grao virou, digamos, uma mistura de caf√© estilo australiano e bistr√ī.

O Suplicy ficou fiel ao core de caf√©s especiais. Admir√°vel. 

Sábado (19/3) estive no Santo Grao e Terça (22/3) estive no Suplicy. E esta é a razão de escrever esse post.

Pedi ajuda (como pedia o menu) para a atendente sobre quais eram os caf√©s importados e especiais do dia. Ela me deu a not√≠cia de que n√£o havia mais importados e que o caf√© do dia eram dois caf√©s premiados. Um de S√£o Paulo e outro de Piat√£ (BA). Pedi mais informa√ß√Ķes sobre o caf√© e a atendente ficou confusa e perguntou que tipo de informa√ß√£o... Eu queria saber a variedade, fazenda, que tipo de pr√™mio, etc... Ela, confusa, s√≥ me disse que era 100% ar√°bica. Enquanto decid√≠amos o que ir√≠amos comer, outro atendente veio tirar o pedido e pedi mais informa√ß√Ķes sobre o caf√©. Ele n√£o sabia e foi pedir ajuda ao barista. Veio com a resposta que era um blend, uma mistura de gr√£os... Eu, muito decepcionado, fui perguntar pro barista. Ele, atencioso, foi no balc√£o de torra comigo e foi investigar qual era o caf√© e fazenda. Depois de ler alguns pap√©is, descobriu que era um Catua√≠ amarelo da fazenda S√£o Jos√©... Bla bla bla. E sobre o gr√£o de S√£o Paulo, n√£o tinha mais dispon√≠vel. 

No Suplicy, queria saber sobre os microlotes. Eram dois. Um da Fazenda do Lobo (?) e "um outro".  Mas queria mais informa√ß√Ķes sobre eles... A barista me disse que a Fazenda do Lobo tinha um sabor de laranja (notas sensoriais s√£o muito subjetivas). Fui o chato querendo saber mais e mais. At√© que um atendente foi buscar um papel e descobrimos juntos que a fazenda do lobo era da variedade Mundo Novo e mais alguns informa√ß√Ķes da safra e afins.

Qual foi o problema? Talvez seja ou falta de treinamento, ou informação ou até comprometimento do funcionário em aprender.

Se o core do seu neg√≥cio √© caf√©, todos os pontos de contato com o cliente precisam estar envolvidos no produto. Precisam saber da variedade, do nome, das caracter√≠sticas do caf√©. N√£o s√£o milhares de op√ß√Ķes. S√£o apenas 1 ou 2 tipos de microlotes ou caf√©s especiais. Quanto mais informa√ß√£o, mais apaixonante eh o produto tanto para o funcion√°rio tanto para o cliente. 

O mais importante nessa onda de caf√©s especiais no Brasil n√£o √© vender aquele caf√© premiad√≠ssimo. Eh educar as pessoas sobre esse negocio novo n√£o-t√£o-novo. A cena de caf√© na Austr√°lia cresceu monstruosamente nos √ļltimos 5 anos e talvez hoje seja o mercado mais maduro do mundo. A cena de nova York cresce a cada ano e j√° est√° virando lenda aqueles caf√©s americanos aguados. E o Brasil, parece estar perdendo o bonde. De novo. 


25.1.16

Mas já é fevereiro?


N√£o tem √©poca do ano para comer Panettone. Hmmm... 

Agora, vocês já provaram o Matcha Tea?

O sabor meio amargo se casa perfeitamente com o chocolate do Panettone. Digamos que é o Romeu e Julieta dos tempos modernos! Haha

22.11.15

Sagu ao vinho tinto


Talvez n√£o exista uma sobremesa que represente mais o Brasil do que o sagu ao vinho tinto, mesmo estando bem longe de ser popular como o brigadeiro por exemplo.

Sagu foi criado no Brasil, por imigrantes italianos e alemães do sul do Brasil e se espalhou rápido. Os alemães criaram a tecnologia para fazer a fécula de mandioca ao invés da tradicional batata. A Mandioca (vamos saudar a mandioca!) é brasileiríssima! E os italianos contribuem com o vinho.

Embora seja uma receita feita por imigrantes, o curioso é que não existe nada parecido com ela nos países de origem deles.

A receita √© bem simples. Deixo de molho 250g de sagu por 3 horas em √°gua fria. Enx√°guo. Em uma panela, jogo o sagu, 800ml de √°gua e uns 500ml de vinho tinto. Cravo, canela e 1 x√≠cara de a√ß√ļcar mascavo. (Escolha o a√ß√ļcar e a quantidade que vc quiser! To tentando ser mais saud√°vel). Deixo ferver mexendo sempre at√© as bolinhas ficarem transparentes. Sirva quente ou frio. 

Use a receita como par√Ęmetro. N√£o siga quantidades e use sua intui√ß√£o. Funciona. 




29.6.15

Nova York levando café a sério

A din√Ęmica presente no DNA de Nova York se mostra presente tamb√©m na cena de caf√©s especiais.

 

A cada ano que passa fica evidente a vocação de Nova York para, assim como Porltand, Seatle e São Francisco, ser um ponto de referência de cafés especiais.

 

Visitei e re-visitei nas √ļltimas duas semanas aproximadamente 30 caf√©s especiais em Nova York al√©m de lugares onde o nova-iorquino consome boa parte da bebida como Mc Donalds, Dunkin Donuts e, claro, Starbucks.

 

Gorjetas

 

Uma coisa que me chamou atenção esse ano foi a gorjeta. Culturalmente, as gorjetas variam de 10 a 15% do valor do pedido. Quase todos os cafés de NY hoje usam um iPad como POS ou ponto de venda (a nova geração da tela da caixa registradora) e simplesmente giram a tela para o consumidor colocar o quanto gostaria de dar de gorjeta.

 

√Č fato que muita gente nos EUA vive com o dinheiro dessas gorjetas, que √© muitas vezes maior que o valor do sal√°rio. Mas aqueles 10 ou 15% tradicionais est√£o virando coisa do passado. Alguns lugares sugerem no iPad $3 de gorjeta para um caf√© que custou $3.50. Aparentemente $2 est√° virando um padr√£o na ind√ļstria para um caf√© com valor um pouco maior que isso, o que representa quase 50% do valor. Isso √© um ponto que merece aten√ß√£o especial tanto para quem consome tanto para quem vende. Um pouco demais, acho.

 

Abaixo, selecionei meus lugares preferidos para tomar café com base no meu pedido padrão: 1 café com leite (ou leite de soja) e 1 café filtrado, preto.

 

Blue Bottle Coffee

450 West 15th street - Chelsea

 

 Blue Bottle  Blue Bottle

 

Um caf√© min√ļsculo, quase sem lugar para se sentar e feito para pedidos para viagem. Apesar do tamanho pequeno, Blue Bottle fez,¬† pelo segundo ano, meu melhor Latte que tomei em Nova York. √Č um exemplo de como o blend de baristas competentes, escolha de gr√£os e capacidade t√©cnica consegue se impor mesmo sem todo o charme de caf√©s com sof√°s e decora√ß√£o que se encontra por ai.

 

 

 

Intelligentsia (High Line)

180 West 10th street - Chelsea

 

IMG 0018

 

√Č um caf√© escondido, no sagu√£o do centen√°rio High Line Hotel. Esse foi o lugar escolhido para ser a primeira filial do competente caf√© criado em Chicago. Apesar dos lattes deliciosos e de um brownie de manteiga de amendoim para comer ajoelhado, o caf√© filtrado na Kalita, com gr√£os encontrados em uma fazenda de Ruanda ( Nshimiyimana Gaspard's Farm) vale por si s√≥ a viagem de quase 10 horas para a terra do tio Sam.

 

 

Stumptown

30 West 8th street - Greenwich Village

 

IMG 0031  IMG 0032  

 

Talvez seja o café mais lindo de Nova York. Com um estilo art deco, globos de luz, mármore verde e detalhes em madeira, Stumptown é o melhor lugar para ter uma boa conversa, trabalhar no seu computador e beber um café delicioso, seja espresso ou filtrado (existe um bar só para os filtrados). Recomendo o grão bourbon da Guatemala (Finca El Injerto) feito na v60. Deu vontade de beber uns 2 litros de uma vez.

 

Intelligentsia (Herald Square)

1333 Broadway


Intelligentsia

 

Esse Intelligentsia fica anexo √† Urban Outfitters, perto do Empire State Building e da Macy‚Äôs o que mant√©m o caf√© lotado. Lindo, moderno, com algumas op√ß√Ķes de filtrados feitos em uma engenhoca autom√°tica de controle de agua para V60 (nunca tinha visto) e pouca sele√ß√£o de comidinhas no balc√£o. Apesar do ambiente compre-tome-saia, o caf√© vale pela parada se voce achar espa√ßo para sentar.¬†

 

 

Culture 36

247 W 36th Street

 

 Culture  Culture

 

Com staff simpático, esse café serve o que você procura: café. Com nada ou quase nada de comidinhas, o layout do Culture coffee é feito para pegar aquele café para viagem ou parar por um tempo na enorme mesa comunitária para tomar seu café. O café filtrado já pronto estava delicioso, assim como o sou latte preparado por um barista que adora conversar e vender os pacotinhos de  grãos da prateleira ao lado. 

   

Pushcart

401 W 25th Street


PC  PC

 

Localizado em Chelsea, esse √© um caf√© movimentado. Muita gente que trabalha ao lado fazendo reuni√Ķes e trabalhando nas mesas. O caf√© com leite de soja estava perfeito e sem aquele gosto de baunilha que voc√™ encontra em alguns lugares. J√° o caf√© feito na aeropress, que era meu segundo pedido, foi recusado pela barista porque ela estava 'muito ocupada' e perguntou se eu queria um outro caf√©. Isso era por volta das 11.30, fora do hor√°rio de rush. Talvez o caf√© estava sem algum staff nesse dia, j√° que pedir os caf√©s filtrados dispon√≠veis no menu parecia invi√°vel.¬†

 

 

Toby's State  (West Village)

44 Charles Street


TBS  TBS


Toby's √© um caf√© originalmente australiano, do bairro de Wooloomoolloo. Foi um dos pioneiros aqui em Sydney a investir em caf√© de qualidade, por√©m hoje, com novos concorrentes, ele deixou de ser relevante. Aproveitando a reputa√ß√£o dos caf√©s australianos pelo mundo, abriu uma filial em Nova York onde faz bastante sucesso, com um ambiente r√ļstico √© um caf√© bem bom, onde se pode tomar o Flat White, famosa inven√ß√£o australiana.

 

Joe's 

405 W 23rd Street


Joe


Joe's √© uma rede de caf√©s especiais que est√° se multiplicando por Nova York.¬† Apesar de cada Joe ter uma caracter√≠stica diferente, alguns conseguem extrapolar sua expectativa. Foi o caso do Joe‚Äôs de Chelsea, da 23av, onde duas baristas revezavam entre as m√°quinas e fizeram um dos melhores lattes daquela semana. As op√ß√Ķes de comida variavam de varinhas de cereais caseiras a peda√ßos de bolo que pareciam bem saborosos.¬†

 

Third Rail Coffee

240 Sullivan Street


TR


Talvez eu tenha tido um azar tremendo quando estava l√°, mas o staff n√£o estava muito amig√°vel. O caf√© filtrado servido no dia era o peruano Tupac Amaru, bom mas n√£o t√£o memor√°vel. O que valeu a visita foi o caf√© et√≠ope Guji, feito na Chemex. O caf√© √© bem pequeno com apenas 6 min√ļsculas mesas no lado de dentro.¬†

 

 

Esses são os cafés pequenos, pontuais, que estão por Nova York. E, se você é como eu que precisa tomar um café para poder fazer qualquer coisa em qualquer lugar, a lista continua com os cafés de grandes redes e, claro, de pontos turísticos.

 

Starbucks


Starbucks √© pol√™mico para quem gosta de caf√© especial. N√£o √© pra menos‚Ķ √Č muito chantilly, leite, xarope e a√ß√ļcar para um copo s√≥. Al√©m da torra escur√≠ssima dos gr√£os (que na verdade ajuda na padroniza√ß√£o de sabor em todas as lojas ao redor do mundo), o que dificulta encontrar caracter√≠sticas sensoriais de cada variedade. Mas se voc√™ souber escolher bem, voc√™ sair√° contente de um Starbucks.

 

Visitei a loja para conhecer o novo ‚ÄúFlat White‚ÄĚ, inspirado no famoso ‚ÄúFlat White‚ÄĚ aqui da Australia e Nova Zel√Ęndia. E n√£o √© nada parecido. Muita espuma e muito leite.¬†¬†

 

S

 

O que o Starbucks faz de melhor (al√©m dos milkshakes com gosto de caf√©), talvez, seja a Clover Machine, uma m√°quina de fazer caf√© filtrado que controla com precis√£o as vari√°veis para um resultado saboroso. E com boas op√ß√Ķes de gr√£os para escolher, as vezes at√© com micro-lotes ou caf√©s raros, como o Geisha.

 

S

 

Na semana em que estive lá, tomei um delicioso Konga da Etiópia e um bom West Java. Procure sempre por Starbucks Reserve no menu. 

 

McDonalds

 

McD

 

Café filtrado do McDonalds. Muito melhor que o café já filtrado do Starbucks, mas longe de ser comparado a um café especial. Mas vale o US$1.

 

Metropolitan

 

Metro

 

Talvez ganhe a medalha de o pior café do mundo. Tentei, tentei e tentei beber o café filtrado do Metropolitan, mas não consegui dar 3 goles no caríssimo café. Raras vezes lembro de ter jogado um copo cheio de café no lixo. 

 

Cias Aéreas


Qantas


Viajei pela American Airlines e Qantas. E, por sorte, a Qantas faz um dos melhores cafés servidos em voos que já provei. São feitos por charmosíssimas French Press da marca dinamarquesa Bodum. E é bebível!

 

Já o café da American Airlines…

11.4.14

Quando o café é bom....

Quando o caf√© √© ruim, ele te deixa acordado. Cafe√≠na, voc√™ sabe. 

Quando o caf√© √© bom, al√©m de te deixar acordado, ele te deixa feliz! 



Vim no Intelligentsia de Nova York e fiquei feliz.

Delicioso café equatoriano da variedade typica feito na chemex.


O Intelligentsia NY fica na 10th com a 20th em Chelsea! 

:)

Marcadores:

28.3.14

Você sabe ler códigos de barras e etiquetas de frutas?

Quando resolvi focar minhas aten√ß√Ķes naquilo que compro no supermercado e ter consci√™ncia sobre o que √© bom pra mim e para o meio-ambiente, descobri algumas coisas interessant√≠ssimas...

Por acordo internacional, todos os produtos com códigos de barra e/ou etiquetas de frutas e legumes precisam ser padronizados para saber a procedência e o meio como foi feito. E existe um meio simples para saber isso.

Por exemplo, como foi cultivada a maçã que você comeu essa manhã?

Existe uma etiqueta nas frutas e/ou na caixa. Nelas h√° geralmente quatro n√ļmeros:

Se o n√ļmero come√ßa com:
3 ou 4 = Cultivada pelo método convencional (fazendas, agrotóxicos, produtos químicos, etc)
9 = Produto org√Ęnico
8 = Geneticamente modificado*

*Por ser algo recente, o n√ļmero 8 ainda n√£o √© requerido por lei, mas alguns produtos j√° colocam isso nas etiquetas.

E sobre os códigos de barras?

Alguns produtos s√£o considerados de um certo pa√≠s, por√©m foram fabricados na China, √ćndia ou qualquer outro pa√≠s para baratear a produ√ß√£o (que na maioria dos casos significa perda de qualidade e ou m√£o de obra quase escrava, desqualificada ou at√© infantil).

Para saber de onde veio, n√£o basta ver o MADE IN ou FABRICADO NO/A. As vezes √© embalado ou manufaturado aqui no Brasil mas o conte√ļdo √© quase todo importado. Mas...de onde? Leia o c√≥digo de barras! 

Em quase todos os produtos ele est√° l√°.

Repare nos 3 primeiros n√ļmeros. Eles mostram onde foram feitos. 
Exemplo: se os n√ļmeros come√ßam com:

789 e 790 = Brasil
778 e 779 = Argentina
690, 691, 692 = China
890 =  √ćndia
000 a 139 = EUA 
30 a 37 = França
40 a 44 = Alemanha
471 = Taiwan
49 = Jap√£o
50 = Reino Unido
76 = Suíça
80 a 83 = It√°lia

Alguns produtos de empresas globais de massa, se s√£o produzidos quase inteiramente com produto importado, apesar de ser produzido no Brasil, pode vir com o c√≥digo de barras do pa√≠s com a proced√™ncia de origem da maior parte dos ingredientes. 

Por exemplo, se voc√™ comprar um chocolate, pode ser que o c√≥digo seja da Su√≠√ßa. Se voc√™ comprar um creme da L‚ÄôOreal, pode ser que o c√≥digo seja franc√™s. Se voc√™ comprar um salgadinho de milho, pode ser que o c√≥digo seja chin√™s. 

Por isso preste aten√ß√£o naquilo que voc√™ consome. Prefira produtos regionais, com conhecimento da proced√™ncia e seja consciente. 

A lista de prefixos de c√≥digos de barras de todos os pa√≠ses voc√™ encontra no site da GS1, a organiza√ß√£o global por tr√°s dessa padroniza√ß√£o: http://www.gs1.org/barcodes/support/prefix_list

21.1.14

Bebidas...

Gente reclamando por aí que as cervejas mais populares do Brasil são feitas com até 45% de milho. E daí? Vodka é feita com batatas!

2.12.13

Arm√°rio de comida no quarto


                              
Desde criança tenho um armário de comida no quarto. Em algum momento da minha vida aprendi a ser curioso com sabores e passei a comprar minha própria comida, mesmo morando com minha mãe.

At√© 2009 (muito tempo atr√°s, hein?!), meu azeite di√°rio era o Quinta das Marvalhas, portugu√™s com denomina√ß√£o de origem protegida. O macarr√£o era Divella , minha marca predileta, e o molho de tomate era feito com tomates vermelhissimos comprados na feira de sexta-feira durante meu hor√°rio de almo√ßo na Vila Ol√≠mpia em S√£o Paulo. Sempre com bastante manjeric√£o.  

Aqui na Austr√°lia, essa mania se acentuou: eu fazia meus pr√≥prios p√£es, com meu pr√≥prio fermento caseiro - levain- feito com figo fermentado e, entre coisas frescurites, uso sal rosa do Himalaia, mais saud√°vel que o sal de cozinha. 

Nem preciso dizer que caf√© √© escolhido a dedo, sempre em gr√£os e mo√≠do na hora. E tudo isso nem vai pra cozinha. Vai direto pro meu arm√°rio do quarto.

Pequenas substitui√ß√Ķes e escolhas que aumentam o prazer na hora de comer.

21.11.13

Le Beaujolais Nouveau est arrive!!!

12.11.13

O Melhor do Natal

A melhor parte do natal é o panetone!!

Bem molhadinho e fofinho... mmmmm

Marcadores: ,

24.8.13

Café e Cafés especiais


Amo café! Fazer meu café todo dia em casa virou um ritual, um pequeno prazer que não troco por nada.

Mas caf√© n√£o √© apenas o caf√©. √Č praticamente um mundo de sabores, aromas... √Č como ir ao mercado para comprar ma√ß√£ ou banana: voc√™ tem muitas variedades para escolher.... ma√ß√£ verde, fuji, gala, a banana nanica, da terra, banana ma√ß√£... E cada uma tem um sabor e formato caracter√≠stico.

O caf√© tamb√©m √© uma fruta. E ele tamb√©m tem suas variedades e esp√©cies. Muitas por sinal. E ainda conhecemos muito pouco de in√ļmeras esp√©cies.

Basicamente, consumimos 2 tipos de espécies de café: Arábica e Robusta. Arábica tem os grãos mais doces, aromáticos, mais agradáveis ao nosso paladar. Robusta são grãos sem tanta expressão, mas com bastante cafeína e resistentes à algumas doenças que devastam cafezais no mundo inteiro.

Hoje, a tend√™ncia de mercado √© que todos os caf√©s sejam 100% ar√°bica. O robusta antigamente era amplamente usado para o nosso mercado interno e, ainda hoje, √© usado pra fazer, por exemplo, caf√© sol√ļvel. 

Dentro da esp√©cie Ar√°bica, existem v√°rias variedades de gr√£os. Gesha, Bourbon, Mocha, T√≠pica... 

E é aí que o mundo dos cafés especiais vai te seduzir e você vai acabar tendo um relacionamento pra vida inteira com ele.

Cada grão tem um gosto tão característico que as vezes nem parece que é café o que você está bebendo.

Hoje, por exemplo, bebi um caf√© filtrado com gr√£os da fazenda Esmeralda, do Panam√°. L√°, eles cultivam a variedade Geisha, famoso pela gosto bem floral, c√≠trico... √Č considerado um dos melhores caf√©s do mundo. Era t√£o arom√°tico que parecia que misturaram algo no seu caf√©.

Enfim.... Mergulhando no mundo dos caf√©s especiais, um mundo novo vai se abrir. Caturra, Catua√≠, Pacamara, Yirgacheffe, entre outros, v√£o virar escolhas de sabores. 

Seja curioso, tome caf√© e pergunte sobre o gr√£o. De onde vem, quem produziu, qual variedade... Ao inv√©s de pedir um cappuccino, pe√ßa um caf√© filtrado, por exemplo. 

Você nunca mais vai olhar pro café da mesma maneira. :)

Marcadores:

4.8.13

Preferências

Trabalhando em um café do maior museu de Sydney, reparei que as pessoas pedem sempre a mesma coisa sempre.

Claro, isso n√£o tem valor estat√≠stico nenhum, apenas se refere a uma observa√ß√£o de um √ļnico lugar. Algumas coisas s√£o √≥bvias, outras s√£o curiosas. Algumas que consigo lembrar s√£o:

- Mulher sempre pede salada quando est√° acompanhada de homem na mesa.
- Mulher sozinha pede pratos mais substanciais, como risottos, pasta ou soupa.
- Mulher com amiga mulher pede sanduíches leves, o preferido são os de peixes. Salmão é sempre o peixe preferido preferido
- Senhoras de idade sempre pedem cappuccinos. Assim como os asi√°ticos. 90% de acerto!!!
- Senhores de idade pedem cafés bem forte, sem leite. Espresso duplo ou Long Black (2 shots com um pouco de água).
- Homem em meia idade geralmente pede pratos pesados. Ou sanduíches com carne de porco ou boi.
- Raramente homem pede salada.
- Macchiatto e Latte sao os cafés preferidos de homens nos 20 e 30 anos.
- Mulher nos 20 e 30 anos não tem preferência pra cafés, mas geralmente pede com leite desnatado ou soja.
- Mulher que pede Macchiatto geralmente s√£o executivas.
- Vinhos secos brancos como Sauvignon Blanc s√£o os preferidos de 98% das pessoas.
- Vinho Rose é o esquecido de todos.
- Mulher adora champagne. Homem prefere vinho tinto como Shiraz.
- Pinot Noir é o vinho tinto preferido das mulheres.

Consumidores são previsíveis. Especialmente os regulares. Pessoas raramente pedem coisas diferentes.

11.7.13

Supermercado de época

Hoje em dia a gente vai no mercado e parece que voltou no tempo...

V√°rias marcas exibem comemorativamente sua embalagem de anos atr√°s... Passa uma id√©ia de tradi√ß√£o e, claro, vende como √°gua! 

Hoje aqui no mercado comprei umas latas de sopa de tomate Campbell's com r√≥tulo comemorativo dos 51 anos (!!) do famoso quadro do Andy Warhol...  


Comprei tamb√©m uma lata comemorativa dos 120 anos das aveias Uncle Toby's, hoje uma marca Nestl√©. 

1.7.13

Comidinha de avi√£o


Voando: China Southern
Rota: Sydney ‚Üí Guangzhou, China


Rota: Guangzhou, China ‚Üí Sydney

Marcadores:

23.3.13

Mistério sojástico!

Por que todos os leites de soja 'original' tem gosto de baunilha?

J√° j√° vou usar gr√£o de soja pra aromatizar a√ß√ļcar e bolo!!

11.3.13

Rato no card√°pio

Por ser um assunto polêmico, tenho certeza que algumas pessoas não vão conseguir entender o que quero dizer. Mas... Vamos lá.

Na fome e na escassez de alimentos durante guerras e revolu√ß√Ķes, os franceses passaram a comer sapos, caramujos, carne de cavalo, etc. Hoje s√£o iguarias car√≠ssimas consumidas mundo afora.

Os chineses, na falta de comida, passaram a comer insetos. Escorpi√Ķes, aranhas, larvas... Hoje, √© ex√≥tico e quase uma obriga√ß√£o pra quem viaja pra China. Tudo comprado no espetinho nas feirinhas locais.

Na Tail√Ęndia, a popula√ß√£o bem pobre passou a comer roedores. Hoje, o rato √© um dos ingredientes de pratos tradicionais do pa√≠s. Um dos tantos pratos ex√≥ticos da rica (e deliciosa) gastronomia tailandesa.

Aqui na Austr√°lia, passamos a comer canguru por causa da ampla oferta da carne. Uma carne razoalmente barata e nutritiva. Dura e ruim. 

Hoje eu li uma matéria no UOL sobre pessoas que comem rato-rabudo, o punaré. Caçam o roedor selvagem para comer. A população, segundo a própria matéria, acha a carne bem saborosa.

E aí? Por que essa mentalidade de "coitadificar"?

Aposto que se um Adriá, Atala, Acurio ou Bocuse usar o punaré e o prepará-lo bem em alguma receita, ele seria um visionário ou um gênio.

Não. Gênio e visionário é esse povo que, com a necessidade, consegue e prefere encontrar e preparar comida fora dos meios convencionais a morrer de fome.